Fobia Específica

Temos Fobias quando o medo que sentimos é enorme, mas, na realidade, aquilo que está para acontecer nem representa grande perigo.

A maioria das crianças, ao longo do seu crescimento, vence muitos medos. Isso acontece porque aprendem que aquilo que receiam não é realmente perigoso ou aprendem a se defender do perigo. Mas o que acontece com os medos que não desaparecem com o tempo?

Quando as pessoas persistem incomodadas pelo seu medo, ou evitam sair à rua e se divertir por conta disso, é possível que o medo tenha se transformado em Fobia.

Uma Fobia é um medo exageradamente grande que não se consegue controlar.

Existem vários tipos de fobias, como, por exemplo, fobia a animais, ao escuro, a andar de avião, a alturas, aos elevadores, a agulhas, a dentista, a ruídos altos e a muitas outras coisas ou circunstâncias. A maior parte das pessoas não sabe as razões das suas fobias, mas a razão principal são experiências traumáticas do passado.

Como identificar uma Fobia?

Quando estamos diante de uma situação de extremo medo ou só de pensarmos nisso, começamos a sentir:

– medo excessivo e descontrolado;

– sintomas de ansiedade (palpitação, suor);

– nojo, ódio, irritabilidade;

– necessidade de sair do ambiente que está causando o medo, vontade de fugir.

Como ajudar?

Procure responder a seguintes perguntas:

O medo que seu filho sente é esperado para a idade?

Este medo está comprometendo o desenvolvimento pessoal, social ou acadêmico de seu filho?

Este medo parece razoável em relação à realidade da situação ou é desproporcional?

Se você respondeu SIM para estas perguntas, é indicado que procure ajuda de um profissional para entender a situação da criança e ajuda-la.

Em casa, reconheça que para seu filho, este medo é real e intenso, tente conversar com ele a respeito e nunca menospreze as reações dele.

Não incentive os temores, evitando situações onde o medo possa ocorrer, mas sim esteja presente com ele oferecendo apoio, cuidado e segurança.

Procure ajuda de um psicólogo, relate os acontecimentos e esteja confiante que seu filho pode e irá superar estes medos.

Fontes:

Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais DSM-5. Editora Artmed, 2014.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *